sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Quem são os Porcos-Espinhos?


 
Conta-se que certa vez, um inverno castigou a fauna e flora de uma determinada região do planeta. Foram dias de nevascas que ceifaram a vida que várias espécies de plantas e animais. Contudo, cientistas perceberam que em meio ao caos gelado, um grupo de porcos-espinhos permanecia vivo e resistindo bravamente durante aquela situação. A pergunta era: Como?
Bem, depois de várias observações os especialistas constataram que a razão da resistência deles era a uma só: A “Comunhão”. Os porcos andavam e faziam todas as suas atividades sempre juntos, com isso, o calor de seus corpos aquecia a todos do grupo. No entanto, depois de mais algum tempo morreram todos... E o mais curioso é que não morreram de frio...
A resistência de um grupo depende de muitos fatores. Sem dúvida, diante de todos os conflitos que cercam e adentram em um grupo, a figura do líder é fundamental. O “administrador de conflitos” chega como uma figura necessária para, com a batuta na mão, reger a harmonia das diferenças.  O líder eficaz é capaz de assimilar informações, processá-las e transformá-las em outras informações úteis para ele e para todos. “Crescei e Multiplicai-vos...” é uma proposição bíblica do livro de Gênesis que apóia a idéia moderna de “dar certo”; significando sobreviver, resistir e se multiplicar.
 
"Existem pessoas que machucam a todo o grupo e a si mesmas, por terem compromisso apenas com elas mesmas."
 
Quem acolhe as necessidades, muda a realidade ao seu redor, é útil, e, portanto, valorizado pelo grupo que cresce. Desta forma, os lideres que regem bem as diferenças garantem, na maioria das vezes, a comunhão, a sobrevivência e o crescimento dos grupos. É provável que seja esse o motivo pelo qual grande parte das pessoas deseje ser, ou não, um “Líder”.
Então, como salvar-se junto com o grupo de uma nevasca?
Em primeiro lugar, ser capaz de estabelecer objetivos claros (a necessidade faz o objetivo e o objetivo faz a meta). Como diria o Capitão Nascimento: “Missão dada, é missão cumprida...!”. Em segundo lugar, ser aberto a mudanças, ao conhecimento e as novas informações. Perguntando: Onde está a solução? Como chegar lá de outra maneira? Como vamos e de que forma vamos? Para tanto, contornar os obstáculos muitas vezes demanda inovação e criatividade para concretizar o objetivo.
O problema na maioria das vezes está nos recursos das pessoas que estão pertencem ao grupo. Afinal, quem são as pessoas que começam e não terminam? Quem são as pessoas que deixam tudo para amanhã? Quem são as pessoas que não levam a competência a sério? Quem são as pessoas que transformam relações possíveis em divisões? Quem são as pessoas que criam novos problemas? Conclui-se que existem pessoas que machucam a todo o grupo e a si mesmas, por terem compromisso apenas com elas mesmas.
Sabe de que morreram aqueles porcos-espinhos?
Alguns começaram a firmar radicalmente seu posicionamento na marcha... Como conseqüência disso, começaram a se furar entre eles promovendo feridas. E quanto mais o tempo passava, mais se machucavam, não se dando conta de que estavam se matando... Até que o último morreu ferido e congelado.
Não havia um líder eficaz, e ninguém foi capaz para administrar os limites. Cuidado! As nevascas passam, porém os espinhos são da natureza dos porcos... Comunhão também significa sobreviver e se multiplicar respeitando os limites de cada um.