sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Caráter e Integridade?




Você é uma pessoa de caráter? Você tem integridade?
Antes de você instintivamente responda SIM, pense na seguinte história. Eventualmente faço essas mesmas perguntas para um público de adultos os resultados são surpreendentes... Suponha que eu tenha 200 membros na audiência. Peço que as pessoas no meio da multidão levantem as mãos se acreditam ser uma pessoa de caráter. Imediatamente, 200 mãos se atiram para cima. Então eu digo: "Tudo bem, agora mantenha a sua mão se você está confortável em descrever publicamente seu conceito de caráter para todos aqui". Neste momento, algo surpreendente acontece... As mãos se abaixam imediatamente. Estranho? Quando pergunto sobre integridade, tenho os mesmos resultados.
Caráter e integridade, uma vez aplaudidos e respeitados, estão se tornando banalizados e desvalorizados a um ritmo alarmante. Estamos em uma ladeira escorregadia que está constantemente levando a sociedade a uma mudança de valores culturais.
Nos últimos anos, caráter e integridade estão ficando em segundo plano em muitas áreas do nosso mundo pós-moderno. Isto é evidenciado pela crescente atenção dada aos exemplos de mau caráter, ao contrário do bom.
Também podemos fazer um olhar para a reputação. Afinal de contas todo mundo tem uma, certo? Quanto tempo levaria para uma pessoa perder uma boa reputação? Estalar os dedos, e quão rápido isso pode acontecer. Muitos líderes estão buscando formas eficazes de fazer depósitos freqüentes na "conta da reputação”. Cada vez que um depósito é feito, o valor da liderança é maior. Quando alguém coloca uma fenda na sua couraça de caráter, é certo que isso vai causar problemas em um nível pessoal.
Então, quando se trata de caráter e integridade, que parte o papel de liderança terá na sua modelagem?
As pessoas a atingem a integridade quando habitualmente se esforçam para a prática das virtudes. Para atingir a integridade, todos nós temos que ser mais corajosos, compassivos, honestos, leais, pacientes, e fazê-lo mais vezes, tanto com nossas famílias, quanto na sala de aula com os nossos colegas ou clientes. A boa notícia é que a obtenção de integridade está sempre ao nosso alcance! Virtudes são desenvolvidas com a prática, assim que você começar a trabalhar!
Convido você a fazer um olhar mais introspectivo sobre a maneira de incorporar as virtudes em sua própria vida. Se você é uma “pedra”, faça um esforço concentrado para eliminar essa deficiência e se tornar mais sensível. Se você está de impaciente tente se esforçar para tornar-se mais paciente. Se você está desintegrado, integre-se...
Assim, se o líder está sentindo a influência do século 21 e o ponto de vista de que a ética e os valores não têm tanto peso, ele não está sozinho. Apenas lembre-se, quando caráter e integridade entram em jogo, alguém está olhando sempre e você vai ter que jogar!
Esse tema incentiva as pessoas de todas as idades a perseguir as coisas realmente importantes na vida, como integridade, sólidas relações pessoais e um senso de contentamento... E aí você levantou a mão ou não?

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

O Líder é Servo

Sem dúvidas, há uma crise de autoridade no mundo, desde o alto da pirâmide até sua base. Desde os governantes até os governados. Alguns especialistas afirmam que a crise mais aguda que presenciamos é a de integridade. Não é de hoje que presenciamos líderes fortes em influência, mas fracos em ética. Muitos revelam ter muito poder nas mãos, mas nenhuma consistência moral. Essa é uma caricatura de autoridade
No entanto, é impossível governar bem sem a habilidade de administrar conflitos. Igualmente, os conflitos acontecem quando os líderes ou os liderados “exageram” em suas funções. A liderança lida com tensões. O líder necessita ter a humildade de receber contribuição e estar disposto a aperfeiçoar seu projeto quando alguém lhe apresenta uma ideia melhor.
Na verdade, o líder precisa ser uma pessoa humilde. Assim, não se melindra com as críticas nem depende dos elogios para fazer a obra. O líder tem coragem de pedir desculpas quando erra, tem a humildade de aprender com a experiência dos outros e tem a disposição de valorizar mais os outros do que a si mesmo. A humildade é o pórtico da honra. Alguém já disse que “um líder nunca é tão grande como quando se cobre com as vestes da humildade”.
Para tanto, há muitos líderes não vocacionados para determinadas missões. Em virtude de não ter conseguido uma chance numa determinada tarefa alegam: todas as portas estavam fechadas, então vi aberta essa porta aqui... Vocação é o contrário disso: o indivíduo vê todas as portas, mas só enxerga a porta de sua competência e habilidade. A Vocação é como algemas invisíveis... É preciso de humildade para aceitar as próprias limitações.
Há muita gente que está na liderança, mas não sua a camisa. Pessoas que dormem em berço esplêndido... Pessoas que estão à frente da missão só para “usufruir”. Pessoas que buscam os favores e não os labores. Escolher como tirar proveito pessoal do que a missão vai resultar é ficar de fora do que é bom para todos. Quando o coletivo vence é o melhor para todos, e isso é um sinal de humildade.
A Liderança é a arte de negociar. Um líder é um articulador, alguém que tem a capacidade de lidar com polos opostos e costurar alianças. Um líder é um influenciador: transforma conflitos em reuniões de fraternidade e crises em oportunidades. Mas uma coisa que o líder não pode negociar é a verdade. Hoje, há muitos líderes sacrificando a convicção no altar da conveniência. Por isso, até para ter honestidade intelectual é necessário se investir de humildade e assim negociar honestamente. Ser humilde não é o mesmo que se vender.
Lembre-se, ninguém perde em ser humilde. Quando somos humildes e valorizamos as pessoas que trabalham conosco, a obra fica mais leve e o trabalho alcança resultados mais promissores. Liderança é serviço. O líder é servo.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Quem é da sua Equipe?

Um dos trabalhos do líder é construir uma verdadeira equipe. Um dos fundamentos da missão é a diferenciação de funções e delegação de responsabilidades, em outras palavras, é o trabalho em equipe. Uma verdadeira "equipe" é inestimável. Mas há uma diferença crucial entre a construção de uma equipe e ter apenas um formato da equipe. Grandes equipes são construídas; equipes ruins apenas se formam, sem intencionalidade ou planejamento.
Bons líderes tendem a se aproximar dos outros para ajudar a compartilhar a sua visão. Na maioria das vezes, o líder está apenas feliz por ter membros dispostos a voluntariar em seu time. Contudo, seria necessária uma série de testes e treinamento para ver se os membros da equipe teriam o DNA da sua organização. Para tanto, o líder pode questionar-se para determinar se as pessoas podem ser ​​membros confiáveis de sua equipe. Por exemplo:
Como meus liderados respondem ao fracasso?
A maioria dos líderes odeia o fracasso na vida pessoal e na sua equipe. Quando por vezes um jogador de futebol perde um penalti, toda a equipe perde por causa do erro do jogador. Se eu quiser construir uma equipa eficaz, eu tenho que dar para alguns membros da equipe a permissão para falhar, e isso é difícil de fazer. Se nunca acontecer falhas, no final, os membros da minha equipe não vão aprender valiosas lições, e não se terá a oportunidade de ver como eles respondem as consequências do fracasso. Depois do fracasso o liderado tem que voltar mais acertivo para o jogo...
Os meus liderados se magoam de que forma?
Você pode ferir um membro da equipe sabia? Há uma grande diferença entre um verdadeiro membro de equipe e aquele que eu chamo de um "jogador contra-cheque". Esses “liderados contra-cheque” se preocupam apenas com a perda de seus cargos, empregos ou dinheiro. Que não é o caso dos verdadeiros companheiros de equipe. Quando, como líder, você tem que corrigir um liderado, você pode ver em seus olhos e em sua linguagem corporal que ele está realmente chateado. Não é apenas com a possibilidade de perder a posição, mas principalmente pelo fato de odiarem decepcionar a equipe que os fazem diferentes. Esse é um bom sinal.
Será que meus liderados irão resistir a mim?
Quando o líder traz paixão, unidade e visão em empreendimentos terá momentos de atrito com membros de sua equipe. É inevitável, mesmo que saudável. Na verdade, o líder nunca deve confiar em ninguém completamente, até que tenha um desentendimento com esse alguém. Isso não significa que temos uma licença para descortesias ou autoritarismos, mas sim, nos comunicarmos através de emoções e paixões com habilidade. A previsibilidade gera confiança mútua. Pessoas confiáveis são aquelas que você reconhece como elas reagem a determinados fatos... Bronca é quando você nunca sabe que reação nova vai encontrar no outro. Já para um líder que gosta de ganhar sempre, o único perdedor deve ser seu próprio orgulho.
Essas são as três perguntas que se pode ponderar sobre se uma pessoa é um verdadeiro integrante de uma equipe, ou não. Eu tenho certeza que existem mais perguntas sobre isso, e que cada líder tem de desenvolver a sua própria lista. Contudo, lembro-me de um mentor que costumava ter uma frase emoldurada na parede de seu escritório: "Trabalho em equipe é o trabalho dos sonhos... Se você sobreviver ao pesadelo de construir uma verdadeira equipe!". Então, você tem uma equipe ou um formato de equipe a sua volta?

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Quando o Líder se depara Passeando...



Por onde começam as mudanças necessárias? Trazer Mudança para uma organização não é fácil.  John Kotter, especialista em liderança da Escola de Negócios de Harvard, estudou como as melhores organizações realmente "fazem" uma mudança significativa. Ele sugere que a mudança útil tende a ser associada com um processo “multi-etapas”, que gera força e motivação suficiente para vencer a inércia, os obstáculos, e a resistência inevitável.

Em seu livro Liderando Mudança, ele descreve esse um processo de oito etapas: 1-Estabelecer um senso de urgência; 2-Criar uma coalizão gestora; 3- Desenvolver uma visão estratégia; 4-Comunicar a visão de mudança; 5-Capacitar ação ampla; 6-Gerar vitórias em curto prazo; 7-Consolidar vitórias e produzir mais mudança; 8-Ancorar novas abordagens na cultura.
Na opinião de Kotter as três primeiras etapas são necessárias para descongelar um status quo endurecido. Já nas etapas de 4 até 7 deve-se introduzir uma série de novas práticas, ficando a última etapa para as mudanças na cultura da organização.
Na maioria das vezes o equívoco acontece porque começamos tudo pela etapa quatro: “comunicar a visão”. Mas Kotter adverte que as etapas 4, 5, 6 e as seguintes não terão sucesso a não ser que os passos 1,2 e 3 sejam implementados. Sem as três primeiras etapas, raramente existe base suficientemente sólida o para provocar uma mudança duradoura.
Pois bem, a primeira delas é “Estabelecer o Senso de Urgência”. Estabelecer um senso de urgência significa que as pessoas devem reconhecer que há um problema real. Muitas vezes se nega o problema. Entretanto, o primeiro passo para a cura é reconhecer que se está doente... Se não reconhecemos que há enfermidade na organização, a passividade silenciosa será a grande amiga da falta de mudança necessária.
A segunda é a “Criar uma Coalizão Gestora”. É igualmente importante ter um grupo diversificado, um “conjunto de forças”, para desenvolver e planejar as possíveis mudanças. Infelizmente, se leva algum tempo para perceber a importância disso. Um grupo que trabalha em conjunto pode realizar e gerir muito mais do que os indivíduos poderiam fazer separadamente. O benefício da solidariedade gestora em uma organização é imensurável. Ela também ajuda a remover os obstáculos à mudança, e a trazer uma nova atitude saudável à medida que novos desafios são enfrentados.
E a terceira é “Desenvolver uma Visão Estratégica”. Uma visão estratégica deve ser desenvolvida como uma maneira de pensar, e fazer todos pensarem o mesmo com você. Pensar estrategicamente é fruto de pedagogia. Ensine como que chega no “Xeque Mate”... Se só você tem a visão estratégica ninguém entenderá o que você pensa...
Criar um senso de urgência, coligações orientadoras, e articular tanto uma visão como uma estratégia vão exigir nossos melhores esforços. O líder deve lembrar que o caminho da mudança duradoura não deve ser o caminho menos percorrido. O problema é quando o líder se depara passeando... Alguém já disse que se um líder se vira e não encontra ninguém o seguindo, ele não é líder, ele está simplesmente dando um passeio...