domingo, 16 de setembro de 2012

Voto tem propósito...




Quando o direito do voto é violado, não quer dizer que ele foi conquistado por “viola caipira”... Quando o direito do voto é banalizado não quer dizer que ele virou doce de banana... Quando a violação ou banalização do voto é uma prática pertencente a uma parte da sociedade durante o período eleitoral, surgem vários aforismos eleitorais que retratam mais a estultice que a consciência nesses tempos...
Compartilho dos apontamentos do Pastor e Filósofo carioca, Irênio Chaves, sobre algumas “pérolas” que muita gente anda dizendo por aí, e que trazem de forma subentendida, uma tentativa de desviar o eleitor do propósito de liberdade na hora de votar.
Listo algumas contestações para elas, em nossa reflexão:
“O voto é meu, e faço dele o que quiser.” Não. O voto não é seu. O voto é da sociedade. Ele não deve ser usado de acordo com a sua vontade livre, mas para o bem comum. Vale lembrar que voto não tem preço. Tem consequência. Votar consciente faz parte do sentido de comunidade. Esse é um propósito!
“Vou anular o meu voto.” Anular o voto corresponde a um voto consciente a menos. Os “maus” também sabem se organizar para seus empreendimentos. Eles, possivelmente, já têm em mente os seus votos garantidos. A única forma de frear os seus intentos é aumentar o número de pessoas votando com consciência. Um voto anulado é apenas mais um que abriu mão de sua responsabilidade de construir uma sociedade mais justa. Esse é um propósito!
“Isso nunca vai mudar. Já vi esse filme.” A mudança é parte da realidade humana. Estamos sempre mudando. O problema é que pode ser para pior ou para melhor. Mudanças virtuosas exigem comprometimento, esforço, reflexão e escolhas. O momento do voto deve ser o resultado disso. Faz-se um esforço prévio de conhecer o candidato, se reflete criticamente sobre a realidade em que a sociedade vive, se escolhe o candidato que tem uma proposta de trabalho comprometida, e que corresponda às mudanças que você deseja. Esse é um propósito!
“Eu não voto, porque não gosto de política.” Se você não gosta de política, é governado por quem gosta... O eleitor sincero não tem que votar em candidatos por gostar ou não de política... Deve-se votar em quem tem compromisso com o sentido de justiça, compaixão, solidariedade e ética. Nem todo aquele que se diz “político” tem esse compromisso... Entretanto, eles são o retrato de nossa sociedade; também descompromissada com muitas coisas também... Porém, há pessoas comprometidas com esses ideais na política. Isso é um propósito!
“Pior do que está, não pode ficar.” Em tudo na vida, pior do que está é permanecer do mesmo jeito, com o mesmo quadro. No entanto, a busca é de melhoria e não de evolução. Pois evoluir, até câncer evolui... Devemos concordar sempre com a melhoria contínua, e entender que não haverá melhoria enquanto não houver continuidade na promoção de uma estrutura mais justa, na conjuntura de uma sociedade. Por isso, é bom olhar para o futuro esperando o melhor, sempre. Isso é um propósito!
E aí, qual é sua frase? A minha é: “Meu voto tem valor”. Esse é um propósito!