quinta-feira, 27 de maio de 2010

Aonde nós formos, lá nós estaremos...

Existe uma idéia que o médico e cientista Jon Kabad-Zinn sugere com muita propriedade: “para onde você vai, é lá que você está...”. O que ele quer dizer claramente é que para onde você for, leve-se junto. Essa é a maneira simples de dizer a alguém que pare de, insistentemente, estar em outro lugar que não a realidade em que ela está inserida.

O ser humano tem a tendência de imaginar, que diante de uma situação difícil poderia estar em uma praia do Hawaii, com uma outra pessoa, numa carreira diferente, numa situação fantástica, numa circunstancia inimaginável... Assim, poderia acreditar que estaria mais feliz e realizado. Será?

Bem, existem hábitos mentais e espirituais destrutivos nas pessoas. Se a pessoa costuma se aborrecer, irritar facilmente, variar seu humor com freqüência, se frustrar a maior parte do tempo, estará invariavelmente desejando que as coisas sejam bem diferentes do que são. Contudo, esses hábitos pessoais estarão seguindo a pessoa aonde quer que ela vá.

A estratégia de “fugir” pode ser inconsciente, no entanto, não soluciona o problema quando a realidade que deve mudar pode ser sumariamente a do interior do ser humano. Existem pessoas que buscam mudar suas realidades exteriores e na verdade ainda permanecem as mesmas. Insatisfeitas e frustradas, independente de onde se encontram.

A boa noticia é que o inverso também é verdadeiro. Se a pessoa é aquela que dificilmente se aborrece e se irrita, pode transformar sua realidade, mudar de companhia, de carreira e continuar sem o desejo de “fugir”. Isso retrata uma realidade interior organizada e que é fundamental para despertar o desejo de ficar é transformar a dificuldade em oportunidade.

A nossa vida é uma viagem fantástica, mesmo que você não concorde com isso. Entretanto, é uma viagem que se faz conscientemente de dentro para fora, e não ao contrário. De fora para dentro as nossas realidades mais cruciais não mudarão, e a viagem se torna um passeio.

Quando mais nos concentramos em ser pacíficos onde estamos, em vez de nos imaginar em uma ilha do Pacífico, mais sentiremos a Paz, no presente. Na medida em que nos encontramos com nossas possibilidades, experimentamos o novo, e carregamos conosco essa Paz, vamos perceber uma verdade existencial: Aonde nós formos, lá nós estaremos...