sábado, 12 de dezembro de 2009

Romper para viver



O que é inovar? Bem. É possível encontrar um caminho de dentro para fora quando desejamos que as coisas mudem. Precisamos estabelecer uma política para que as mudanças aconteçam. “Inovar”: vem do Latim INNOVARE, “tornar novo, renovar”, de IN, “em”, mais NOVUS, “novo”.Isso é inovação é mudar de dentro para fora. A inovação acontece quando as oportunidades e circunstâncias demandam novas atitudes.
Existe, atualmente, um certo desgaste com essa expressão. Parece que esta ação não pertence ao curso natural das coisas, mas é mister na voz daqueles que defendem uma luta constante contra a insatisfação. Claro que inovação implica em riscos e é o resultado persistente de trabalho e de planejamento, com atenção às necessidades do processo, às mudanças em termos de modos de percepção, significação e conhecimento.
Inovar não é renovar. Renovar vem do latim RENOVATIO, de RENOVARE, é repetição ou a nova execução de alguma coisa, é restaurar o antigo. É mudar de fora para dentro. Para tanto a Espiritualidade é a melhor parceira da Inovação. A Espiritualidade e a Inovação se familiarizam. Uma exige que se coloque ordem em sua vida a outra aponta o caminho e a direção da mudança. Quando se quer ter um espírito inovador que formule uma ética de mudança de dentro para fora, é hora de colocar em ordem o mundo interior.
A inovação, de fato, dá um significado novo e importante ao que já era útil. A maioria esmagadora das inovações bem sucedidas explora a mudança continuada, pois inovação exige continuidade. Inovação não é somente um movimento em direção ao novo. Não basta mudar por mudar. Inovação requer um compromisso com os fundamentos dos valores, sejam da alma, da vocação e missão.
O que você faz tem a ver com sua missão, seus valores, sua capacidade de desempenho e os resultados esperados? A inovação requer informação e formação para tudo. Ela fica comprometida se você não tem informações e formações confiáveis. Informações e formações adequadas facilitam os relacionamentos, favorecem a que as pessoas se entendam melhor. As pessoas envolvidas no processo de mudança devem ser estimuladas de forma coerente a respeito do que se espera acontecer.
Na verdade inovação é uma questão que envolve uma dialética. Sempre se produz uma “terceira coisa”. De um lado, você tem uma tendência à inércia, à resistência a todo processo de mudança. De outro, você tem as tendências personalistas e as relações de poder que interferem no rumo das mudanças. O resultado tangencia aos dois lados.
Uma política de mudanças é aquilo que dá identidade ao agente: seus valores, seus princípios, suas conquistas consolidadas até o momento. Seu foco não pode estar centrado na repetição de rotinas, estruturas ou procedimentos anacrônicos. Innovare é estabelecer uma continuidade aos seus marcos fundadores e estabelecer uma ruptura com os processos ineficazes da vida. O equilíbrio entre continuidade e ruptura é o que caracteriza o espírito inovador. É romper para viver!